Da Évora 1.0 à Évora 2.0

100% do espaço é dedicado aos carros (Évora, 2019)

Évora 2.0 é o novo projecto da Gare apoiado pelo Fundo Ambiental. Este projecto pretende colocar as crianças e os jovens a pensar uma nova mobilidade para a cidade. Uma mobilidade 2.0. Uma nova versão da mobilidade consentânea com um novo paradigma de mobilidade centrado nas pessoas e não nos carros. 

O actual modelo de mobilidade da cidade, uma versão 1.0 usando a terminologia das versões de software,  tem conduzido a uma cidade, por via do seu planeamento e gestão quotidianos, a uma Évora autocêntrica dominada , quase em exclusivo, pelos carros.

A prova disso são os números. E a nossa percepção confirma-o. Em Évora, segundo os censos de 2011, quase 4 em 5 pessoas que se deslocavam-se diariamente para o trabalho faziam-no de automóvel. E cerca de ⅔ dos estudantes deslocavam-se também neste meio de transporte. Estes dados reportam há 8 anos atrás. A nossa percepção é de que o domínio do carro tenha ainda aumentado nos anos mais recentes.

Quer isto dizer que é residual o número de eborenses que se deslocam de transportes públicos, a pé ou de bicicleta.

As cidades autocênctricas não tratam bem as pessoas. Fazem-lhes mal. São deslocações caras para aqueles que se deslocam de carro e para a própria  cidade; e trazem problemas ambientais que decorrem da poluição do ar -são cada vez mais os estudos que associam múltiplas doenças graves e crónicas à poluição do ar provocada pelos gases produzidos pelos automóveis. Não menos importante são os problemas sociais das cidades autocênctricas. Cidades autocêntricas não promovem a autonomia nem a socialização entre as  crianças e os jovens, condenam os portadores de deficiência, os velhos e os pobres à solidão e fechamento em suas casas. 

O projecto Évora 2.0 promovido pela GARE visa contribuir para uma mudança de paradigma na área da mobilidade urbana e da sua governança. Através das suas ações , a iniciar brevemente nas escolas da cidade, pretendemos colocar as comunidades escolares a reflectir sobre a sua mobilidade actual, a pensar e a projectar como pode ser a sua/nossa mobilidade nos próximos anos; uma mobilidade centrada nas pessoas e menos nos automóveis. E como o vamos fazer em concreto? Bom, é disso que vamos falar na próxima crónica

14/10/2019

Leave a Reply